Tesouro musical de Niterói se apresenta no TMN

Orquestra de cordas da grota

Reconhecida, hoje, no Brasil e no exterior, a Orquestra de Cordas da Grota nasceu em 1995, sob os cuidados da professora aposentada Otávia Selles, que deu o pontapé inicial com trabalhos voluntários com crianças da comunidade da Grota do Surucucu, ajudando-as com reforço escolar e aulas de artesanato para seus pais. Não satisfeita, Dona Otávia pediu para que seu filho Marcio, junto com sua esposa Lenora Mendes, desse aulas de flauta doce para cinco crianças. A partir daí, foi criada uma das orquestras mais conhecidas do País, que sobe ao palco do Teatro Municipal de Niterói dia 12, às 20 horas, com o show Orquestra de Cordas da Grota – Patrimônio de Niterói para comemorar o aniversário da cidade e, também, os seus 18 anos de existência.

A produtora da Orquestra Alexandra Seabra fala como inicialmente a flauta doce foi essencial para os alunos. “Na metodologia da Orquestra de Cordas da Grota, a flauta doce é o instrumento inicial. Com o aprendizado dela, a leitura e coordenação motora ficam mais desenvolvidas, para, mais à frente, o aluno poder estudar seu instrumento de preferência (violino, viola, violoncelo, contrabaixo ou flauta transversal). Não temos limite de idade, é preciso, apenas, que o aluno saiba ler. Ou que tenha, no mínimo, seis anos de idade”, explica.

Por ser um projeto social, a Orquestra de Cordas da Grota conta com apoio monetário para continuar existindo. Alexandra aproveita para explicar de onde vem o subsídio que os mantém. “Mesmo sendo projeto social, concorremos a editais e projetos de patrocínio. Hoje, por exemplo, temos o patrocínio da Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro e da Petrobras, que arca com as despesas e pagamentos dos integrantes da orquestra principal, formada pelos professores e monitores do projeto. Para outras despesas, temos a Lei Rouanet, além de sócios que doam R$50 por ano como pessoas físicas”, conta.

Alexandra não deixa de mencionar, também, a importância do Rotary Club Niterói para a Orquestra. “O Rotary é um parceiro fiel da OCG. Temos 10 núcleos de multiplicação da Orquestra (o que chamamos de Projeto Multiplicando Talentos), onde levamos nossa metodologia para outras comunidades (em Niterói, Itaboraí, Maricá e, agora, Friburgo) e o Rotary apoia pelo menos dois desses núcleos”, avalia.

O show que acontecerá no Teatro Municipal já foi realizado no último dia 29 de setembro, no mesmo local. O sucesso foi tão grande, que a Orquestra foi convidada a voltar no dia 12 para mais uma apresentação. “Para nós, é de extrema satisfação retribuir à nossa cidade. Há alguns anos, a OCG se tornou Patrimônio Imaterial de Niterói. Para a minha grande surpresa e enorme alegria, fomos convidados a repetir este espetáculo. Estamos a todo vapor ensaiando e projetando algumas modificações para deixar o show tão emocionante quanto o anterior”, antecipa Alexandra.

A produtora ainda explica que o show será dividido em duas partes. A primeira é baseada em um repertório com trilhas importantes do cinema e regida pelo maestro Nayran Pessanha. Já na segunda parte, sob regência de José Carlos Justino Vidal, o repertório escolhido foi inspirado na história do grupo. “Na primeira parte, o repertório será composto por composições de cinema, como o tema do filme O Poderoso Chefão e uma peça erudita. Na segunda parte, contaremos aos espectadores um pouco da história do Projeto da Orquestra de Cordas da Grota com musicas mais populares, onde a mensagem principal é que tudo com amor e dedicação pode ser possível de acontecer”, conta.

O maestro Nayran Pessanha diz que a expectativa para a noite do show é boa e que, como a divulgação está a todo vapor, espera-se que o teatro lote como da primeira vez. “Estamos com um time de talentos pra ninguém botar defeito. A noite promete ser de excelência musical. Uma noite realmente especial”, prevê.

A noite ainda contará com participações dos grupos Brazilian 2wins, Grupo Negros e Vozes e das cantoras que participam do projeto da orquestra Mara Nascimento e Elaine Guedes. Além disso, será feita uma homenagem ao Centenário de Vinicius de Moraes. “Essa homenagem será executada de forma simbólica. Pelo seu centenário, faremos uma peça, que será executada pela Elaine Guedes e o violonista Ricardo Werneck”, diz Alexandra.
Reportagem de Cissa Loureiro para o jornal O Fluminense

Fonte: http://www.ofluminense.com.br/editorias/cultura-e-lazer/tesouro-musical

02/12/2013

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.